Secund Rio-Books Pdf

Secund rio
23 Jul 2020 | 17 views | 0 downloads | 104 Pages | 2.89 MB

Share Pdf : Secund Rio

Download and Preview : Secund Rio

Report CopyRight/DMCA Form For : Secund Rio



Transcription

Caderno PRESSE Ensino Secund rio, Susana Sousa, Maria da Paz Lu s. C rmen Guimar es, Miriam Gonzaga, Administra o Regional de Sa de do Norte I P. Departamento de Sa de P blica, Rua Anselmo Braancamp 144. 4000 078 Porto, presse arsnorte min saude pt, www presse com pt. Design Gr fico e Ilustra o, Marta Rodrigues, Reserve se os direitos de autor.
O presente Caderno foi criado para ser um recurso disposi o dos professores que. operacionalizam o PRESSE facilitador da implementa o da Educa o Sexual no. Secund rio no mbito das disciplinas de uma forma transversal e transdisciplinar. Segundo o modelo de interven o do PRESSE este documento preconiza a abordagem de. tr s reas tem ticas apresentando objetivos e sugest es pedag gicas que incluem. propostas de atividades e de avalia o para o desenvolvimento global de cada uma. destas reas, Visamos um instrumento de apoio a Educadores na implementa o de um programa. estruturado e sustentado que prev a aquisi o de compet ncias e a promo o de valores. fundamentais viv ncia da sexualidade de forma respons vel. Grupo de Trabalho do PRESSE gt PRESSE, Abreviaturas disciplinas. Componente forma o geral, Port Portugu s, L Estran L ngua Estrangeira. Filos Filosofia, Ed Fis Educa o F sica, Componente forma o espec fica. Hist Hist ria, Psic Psicologia, Mate Matem tica, Des Desenho.
Soc Sociologia, Bio Biologia, Of Art Oficina de Artes. Mat Tecn Materiais e Tecnologias, Hist Cult Art Hist ria da Cultura e das Artes. Int Mark Introdu o ao Marketing, Of Anim Mult Oficina de Anima o e Multim dia. Of Des Cer Oficina do Design Cer mico, reas Tem ticas. 1 CONHECIMENTO E VALORIZA O DO CORPO, Figura corporal.
Compreens o da fisiologia da resposta sexual humana. 2 SA DE SEXUAL E REPRODUTIVA, Compreens o da fisiologia geral da reprodu o. Compreens o do ciclo menstrual e ovulat rio, Compreens o do uso e acessibilidade dos m todos contracetivos. Compreens o da epidemiologia das principais IST em Portugal e no. mundo VIH sida e HPV2 e suas consequ ncias e m todos de. Gravidez na adolesc ncia, Conhecimento das taxas e tend ncias da maternidade e da. paternidade na adolesc ncia e compreens o do respetivo significado. Conhecimento das taxas e tend ncias das interrup es volunt rias de. gravidez suas sequelas e respetivo significado, Compreens o da no o de parentalidade no quadro de uma sa de. sexual e reprodutiva saud vel e respons vel, Preven o dos maus tratos e das aproxima es abusivas.
3 EXPRESS ES DA SEXUALIDADE E DIVERSIDADE, Dimens o tica da sexualidade humana. Sexualidade e g nero, 1 CONHECIMENTO E VALORIZA O DO CORPO. Figura corporal, Fisiologia da resposta sexual humana. Pressupostos essenciais, Reconhecer a import ncia do corpo e da imagem corporal. Reconhecer a figura imagem corporal como potenciadora do prazer do crescimento e da autonomia. desenvolvendo uma atitude positiva face s mesmas, Promover uma autoestima positiva.
Compreender a fisiologia da resposta sexual humana. N Actividade Ano de Escolaridade, Recomendado, 1 SMS Sexualidade mensagens e segredos. 2 Verdade ou consequ ncia, 3 Publicidade e modelos de beleza. 4 Est tica e gera es, 5 Fotomontagem, 6 Corpo beleza e sensualidade. 7 Homem mulher ideal, 8 Sinto me bem no meu corpo, 9 Roda de elogios. 10 Assim sou Eu, 11 Palavras ocultas, 12 Fisiologia da resposta sexual humana.
13 O que acontece quando, Atividade n 1, Atividade SMS Sexualidade mensagens e segredos. rea tem tica Conhecimento e valoriza o do corpo, Disciplina s Port Filos Ed Fis Soc Hist Hist Cult Art. Promover o conceito abrangente e positivo da sexualidade. Reconhecer e aceitar a dimens o psicoafetiva da sexualidade. Reconhecer e aceitar a dimens o sociocultural da sexualidade. Questionar as diversas fontes de informa o sobre sexualidade. Dura o Recursos, Passo a passo, 1 Introduzir a atividade apresentando os objetivos. 2 Escrever a palavra sexualidade no quadro e solicitar defini es. 3 Dividir a turma aleatoriamente em 3 grupos, 4 Solicitar ao grupo 1 que fa a uma lista com mensagens que receberam atrav s das fam lias sobre o. que a sexualidade, 5 Solicitar ao grupo 2 que fa a uma lista com mensagens que receberam atrav s dos amigos sobre o.
que a sexualidade, 6 Solicitar ao grupo 3 que fa a uma lista com mensagens que receberam atrav s dos media sobre o. que a sexualidade, 7 Referir que n o h respostas certas nem erradas e dar 10 minutos para o trabalho em grupo. 8 Solicitar aos grupos que identifiquem um interlocutor que apresente as conclus es do grupo a toda. 9 Posteriormente distribuir a ficha n 1 pelos grupos e solicitar que reflitam em torno das quest es. 10 Moderar um debate das respostas dos grupos s quest es da ficha n 1. SMS Sexualidade Mensagens e Segredos Ficha n 1, 1 As mensagens da fam lia amigo as e media s o similares Diferentes Porqu. 2 Com que mensagens concordam, 3 Com que mensagens discordam. 4 Quais dessas mensagens podem fazer uma pessoa sentir se desconfort vel ao falar ou explorar. a sexualidade, 5 H alguma mensagem que acreditam ser incorreta.
Atividade n 2, Atividade Verdade ou consequ ncia, rea tem tica Conhecimento e valoriza o do corpo. Disciplina s Port Filos Ed Fis Biol Soc Psic, Adquirir manter e fomentar uma atitude positiva relativamente sexualidade humana. Trocar os mitos e as cren as err neas sobre sexualidade por informa o correta. Dura o Recursos, Fichas n 2 1 2 3, 90 min Cartolina. Passo a passo, 1 Recortar os quadrados das fichas n 2 1 2 3 e colar em quadrados de cartolina. 2 Introduzir a atividade com a leitura do texto de introdu o da ficha n 2 1. 3 Colocar todos os quadrados num saco e solicitar a um aluno que retire um cart o do saco. 4 Solicitar a esse aluno que leia para a turma a afirma o escrita no seu cart o. 5 Em seguida perguntar turma Verdade ou consequ ncia Os alunos ter o que responder verdade se. se tratar de uma afirma o verdadeira e consequ ncia se se tratar de um mito. 6 Solicitar a fundamenta o das respostas dadas e enquanto moderar o debate gerado em torno da. diverg ncia de respostas orientar os alunos para a resposta certa. 7 Continuar a atividade com a leitura de todos os cart es e debate em torno das afirma es. 8 A atividade fica conclu da quando forem debatidos os conte dos de todos os cart es. Nota Todas as afirma es dos cart es s o mitos relacionados com a sexualidade. Pode sugerir aos alunos que apresentem outros exemplos de mitos sobre sexualidade. Verdade ou consequ ncia Ficha n 2 1, Um mito sobre sexualidade traduz se numa opini o n o fundamentada sobre algo.
relacionado com a sexualidade Essa opini o expressa com convic o costuma. acompanhar a ignor ncia e converte se facilmente nas cren as de uma comunidade ou. de uma gera o podendo trazer consequ ncias graves para a viv ncia saud vel da. sexualidade, Uma rela o sexual tem de Uma rela o sexual deve. envolver sempre penetra o terminar sempre num orgasmo. Os homens sentem mais O homem quer e est, desejo sexual do que as mulheres sempre pronto para o sexo. Os homens n o devem O lcool um, expressar sentimentos estimulante sexual. Verdade ou consequ ncia Ficha n 2 2, Um homem com um p nis maior. A mulher n o, tem melhor desempenho sexual, tem prazer sexual.
Para que a mulher engravide, A partir dos 70 anos j n o. necess rio atingir o orgasmo em, poss vel ter vida sexual. simult neo com o homem, A masturba o durante a, A masturba o causa dist rbios. puberdade incapacita, sexuais f sicos e ou psicol gicos. sexualmente para a vida adulta, A satisfa o sexual da mulher A mulher n o deve.
depende do tamanho do p nis ter iniciativa sexual, Verdade ou consequ ncia Ficha n 2 3. Uma rela o sexual s plena, N o poss vel engravidar na quando a mulher e o homem. primeira rela o sexual atingem o orgasmo, simultaneamente. A masturba o um, comportamento sexual A aus ncia de h men prova. exclusivamente masculino que uma mulher n o virgem. Se uma pessoa se recusa a ter, A mulher atinge o orgasmo ao rela es sexuais com o a.
sentir a penetra o pelo p nis parceiro a porque n o o a. ama verdadeiramente, Todas as mulheres, Uma rela o sexual com. podem ter orgasmos m ltiplos, qualidade requer um orgasmo. Atividade n 3, Atividade Publicidade e modelos de beleza. rea tem tica Conhecimento e valoriza o do corpo, Disciplina s Port Filos Ed Fis Int Mark Hist Hist Cult Art Soc Of Anim Mult Psic. Analisar o modelo de beleza dominante e a forma como os media o utilizam. Potenciar uma atitude cr tica face instrumentaliza o e comercializa o do modelo social de beleza. Dura o Recursos, Fichas n 3 1 e 3 2, Meios audiovisuais para reprodu o de v deos.
Passo a passo, 1 Solicitar previamente aos alunos que individualmente ao longo de v rios dias observem an ncios. publicit rios em v deos ou revistas em que sobressaiam os modelos de beleza atuais e que tragam. esses materiais grava es ou recortes para a aula, 2 Dividir a turma em grupos e solicitar a todos os grupos que analisem cada um dos an ncios que os. elementos do grupo trouxeram para a aula com o apoio da ficha n 3 1. 3 Solicitar aos alunos para depois de analisados todos os an ncios responderem s quest es da. ficha n 3 2, 4 Posteriormente cada grupo apresenta turma a compila o de an ncios publicit rios realizada ao. mesmo tempo que exp e a an lise dos mesmos com o apoio da ficha n 3 1. 5 Finalizar a aula com a reflex o da turma em torno das respostas s quest es da ficha n 3 2. Publicidade e modelos de beleza Ficha n 3 1, 1 Que mensagens promove o an ncio especificar o tipo de slogan e informa o do produto. 2 A quem se dirige o an ncio mulheres homens rapazes raparigas. 3 Que protagonistas aparecem, Mulher Homem, Menina menino.
Fam lia casal, 4 Qual a rela o entre os protagonistas. 5 Que imagem sobre a mulher ou sobre o homem transmitida. Objetos que identificam a mulher, Objetos que identificam o homem. 6 Que tipo de linguagem utilizada, 7 Que modelo de beleza masculina ou feminina apresentado. Publicidade e modelos de beleza Ficha n 3 2, 1 Porque que aparecem frequentemente mulheres ou homens com pouca roupa para anunciar. produtos de beleza ou outros objetos, 2 Que diferen as se encontram entre os an ncios dirigidos a mulheres e os an ncios dirigidos a.
3 Porque ser que a sensualidade usada para fins comerciais. Caderno PRESSE Ensino Secund rio Autoria Susana Sousa Maria da Paz Lu s C rmen Guimar es Miriam Gonzaga PRESSE Administra o Regional de Sa de do Norte I P Departamento de Sa de P blica Rua Anselmo Braancamp 144 4000 078 Porto presse arsnorte min saude pt www presse com pt Design Gr fico e Ilustra o Marta Rodrigues Reserve se os direitos de autor O presente Caderno foi

Related Books

Programa de DGE

Programa de DGE

Do Ensino Secund rio 3 Da Filosofia no Ensino Secund rio 4 Da presente reformula o do Programa de Filosofia 5 2 PARTE Apresenta o do Programa 8 1 Finalidades 8 2 Objectivos Gerais 9 No dom nio cognitivo 9 No dom nio das atitudes e dos valores 9 No dom nio das compet ncias m todos e instrumentos 10 3

PLANO DE CONTING NCIA AULAS PRESENCIAIS ENSINO SECUND RIO

PLANO DE CONTING NCIA AULAS PRESENCIAIS ENSINO SECUND RIO

Constitucional atrav s do Decreto Lei n 10 A 2020 de 13 de mar o Contudo com a evolu o epidemiol gica e a necessidade de assegurar a continuidade do ano letivo de 2019 2020 foi aprovado um conjunto de medidas que prev a minimiza o da interrup o do ensino e que ao mesmo tempo que refor a a preven o da COVID 19 em ambiente escolar para os 11 e 12 anos de

AN LISE MATEM TICA I ULisboa

AN LISE MATEM TICA I ULisboa

aparecer num livro de An lise Matematica em particular sempre que s o introduzidos assuntos que a nossa experi ncia nos levava a considerar como mais delicados para um estudante que encontra pela primeira vez uma abordagem mais estruturada e justificada de assuntos examinados informalmente no ensino secund rio Muitos dos assuntos abordados nesta disciplina como os limites de fun es e

ESCOLA SECUND RIA FERREIRA DIAS AGUALVA SINTRA

ESCOLA SECUND RIA FERREIRA DIAS AGUALVA SINTRA

EXAMES ENSINO B SICO 9 ANO 1 Totais M dias 950 9 47 10 45 0 98 EXAMES ENSINO SECUND RIO Rela o CE Escola CE Nacional 1 Fase 2014 EXAMES ENSINO SECUND RIO Rela o CE Escola CE Nacional 1 Fase 2014 4 2 0 2 4 6 8 10 12 14 CE Escola CE Nacional Escola Nacional C digo Exame n alunos CIF CE CFD CE CIF 702 BG 102 13 0 10 7 12 4 2 3 706 Desenho A 32 14 8 12 8 14 3 2

Maria Concei o Crispim Rosado ENSINO SECUND RIO CURSO

Maria Concei o Crispim Rosado ENSINO SECUND RIO CURSO

Filos Ed F s EMRC N Processo RELA O DE ALUNOS DO ANO LETIVO DE 2013 2014 Conferido A Diretora Maria Concei o Crispim Rosado ESSG 2013 14 MINIST RIO DA EDUCA O ESCOLA SECUND RIA DE SEBASTI O DA GAMA ENSINO SECUND RIO CURSO CIENT FICO HUMAN STICO CI NCIAS E TECNOLOGIAS TURMA 10 A Ing Mat F Q B G cont A A I A I 1 Amanda Cachina Perazzo de Melo 1 1 1 1 1 1 1

12 ANO CI NCIA POL TICA APROCES

12 ANO CI NCIA POL TICA APROCES

aprendizagens essenciais articula o com o perfil dos alunos 12 ano secund rio ci ncia pol tica p g 5 operacionaliza o das aprendizagens essenciais ae organizador m dulos ae conhecimentos capacidades e atitudes o aluno deve ficar capaz de

O ENSINO DA EVOLU O BIOL GICA EM SALA DE AULA UM ESTUDO

O ENSINO DA EVOLU O BIOL GICA EM SALA DE AULA UM ESTUDO

e Biologia e Geologia do ensino secund rio o evolucionismo consta dos temas a tratar No entanto suposto que seja tratado de modo superficial e incompleto j que dele n o consta a evolu o humana e para al m disso as orienta es program ticas recomendam que se evite a abordagem pormenorizada e exaustiva das teorias da evolu o e dos argumentos que as sustentam Avelar et al

Pr Escolar Agenda Cultural de Lisboa

Pr Escolar Agenda Cultural de Lisboa

n vel de ensino do pr escolar ao secund rio Parte das atividades encontra se integrada em 4 focos tem ticos Liberdade Cidade Biodiversidade e Patrim nio Estes s o identificados no ndice assinalados junto a cada atividade e constam de um mapa que os representa de forma sist mica associados a conceitos subsidi rios para refor ar a sua din mica de reciprocidade

10 ANO ENSINO SECUND RIO BIOLOGIA E GEOLOGIA

10 ANO ENSINO SECUND RIO BIOLOGIA E GEOLOGIA

A Biologia e Geologia uma disciplina bienal 10 e 11 anos do curso cient fico human stico de Ci ncias e Tecnologias Visa numa perspetiva de forma o cient fica expandir conhecimentos e compet ncias dos alunos nestas reas do saber A concretiza o das Aprendizagens Essenciais AE sup e um tempo de leciona o equivalente para cada uma das componentes disciplinares

PLANO DE ATIVIDADES Instituto Cam es

PLANO DE ATIVIDADES Instituto Cam es

gest o da rede de ensino portugu s no estrangeiro a n vel b sico secund rio e superior apoiando a coloca o de docentes locais atrav s de parcerias com institui es de ensino superior e organiza es internacionais e promovendo a internacionaliza o da cultura portuguesa O Plano de Atividades do Cam es I P reflete assim a complementaridade da abrang ncia tem tica e

A F sica na Gr cia Antiga SisNe

A F sica na Gr cia Antiga SisNe

seu famoso mito da caverna livro VII da Rep blica Repostas da teoria plat nica aos problemas dos pr socr ticos A realidade ltima buscada pelos pr socr ticos corresponde ao mundo das formas e o mundo corp reo das coisas sens veis tem status secund rio Tanto a mudan a como a estabilidade s o genu nas elas apenas t m n veis diferentes de realidade o reino material

Revista Filos fica de Coimbra

Revista Filos fica de Coimbra

Coimbra e sobre o di logo com os poetas no ensino da Filosofia Dr Diogo Alcoforado da Faculdade de Letras do Porto tarde depois de umacomunica o sobre a import ncia do trabalho sobre o texto filos fico no ensino da Filosofia pelo Dr Artur Mor o encerrar se o Encontro com uma mesa redonda sobre o papel da Filosofia no Ensino Secund rio e a sua voca o inter

Gastronomia Molecular uma abordagem de investiga o para

Gastronomia Molecular uma abordagem de investiga o para

Gastronomia Molecular uma abordagem de investiga o para alunos do B sico e Secund rio 4 isomalte de espumas com a utiliza o de lecitina de soja e de cocktails recorrendo goma xantana com vista sua optimiza o O outro objectivo prende se com a verifica o da exequibilidade destas t cnicas para utilizar com alunos destes graus de ensino O Cap tulo 2 compreende uma